Senado discute tecnologia em transporte público

Circula nas ruas de Florianópolis um ônibus 100% elétrico movido a energia solar. Foram colocadas baterias de lítio no teto do veículo, que armazenam a energia gerada por placas solares instaladas no telhado do Centro de Pesquisa da Universidade Federal de Santa Catarina.

O ônibus consegue funcionar por até 70 km, sem a necessidade de recarga, e percorre cerca de 200 km por dia. Além de não utilizar gasolina, diesel, gás ou etanol, a tecnologia brasileira existente no veículo não gera gases ou partículas que possam poluir o meio ambiente.

Novas tecnologias energéticas vem sendo cada vez mais discutidas no senado. O senador Élio José, do “PROS” de Brasília, fez vários discursos falando sobre o assunto, comparando as vantagens ambientais em relação aos ônibus convencionais.

“Apenas um veículo convencionais de transporte público movido a diesel, emite quase quatro tonelada de gaz carbônico por mês. O novo veículo desenvolvido em Santa Catarina deixa de despejar no meio ambiente, pelo menos  50 tonelada de gaz carbônicos por ano“.

Tecnologias energéticas mais econômicas e limpas, também estão no radar do novo governo brasileiro. O novo presidente da Caixa Econômica Federal, Pedro Guimarães, disse que o banco irá investir em lâmpadas de led para iluminação pública.

“Em só trocar a lâmpada, aquela lâmpada amarela que queima toda hora e custa muito para o lede. É um investimento grande, mas ajuda muito no ponto de vista em redução de violência e na própria questão de civilidade“, disse Pedro Guimarães.

Desde 2013 a geração de energia solar no Brasil já cresceu mais de 100%, e o país é dono de uma das matrizes energéticas mais limpas do mundo.